Resolução

​​A resolução é a medida do detalhe de uma imagem que um dispositivo pode capturar ou reproduzir. 
 


PPI
É a abreviatura de 'pixels per inch' (pixeis por polegada). Refere-se à resolução da imagem digitalizada. Apenas temos pixeis nas imagens digitais e nos ecrãs. 

O que é um Pixel?
O pixel é o acrónimo de 'picture element' (elemento de imagem). É o mais pequeno elemento de uma imagem digital e contém informação acerca da luminosidade e da cor. Quanto mais pixeis uma imagem tiver melhor é a sua resolução e qualidade. 

DPI
É a abreviatura de 'dots per inch' (pontos por polegada). É usada como unidade de medida na impressão para descrever a resolução geométrica de uma imagem. Quanto mais elevado é o DPI melhor é a resolução da imagem e a sua qualidade.
O DPI descreve a capacidade de resolução de saída de uma impressora, filmadora ou CTP. 


LPI
É a abreviatura de 'lines per inch' (linhas por polegada). Consiste na lineatura, ou seja, o número de linhas de pontos de impressão por polegada. 

Quanto mais linhas de pontos tiver a imagem, menores são os pontos e maior a definição e detalhe da imagem. Nos processos de impressão, a lineatura depende da processo de impressão e também das características do papel utilizado. Atualmente trabalha-se com impressões que variam de 100 lpi no caso de impressão em papel de jornal a 200 lpi ou mais para impressões de alta qualidade. 


Os DPI (pontos por polegada) são responsáveis pela resolução máxima das filmadoras, pois irão influenciar a quantidade dos níveis de cinza que serão reproduzidos: 

(DPI / LPI)² + 1 = tons de cinza

Exemplo:
(1200 dpi / 110 lpi)² + 1 = 120 tons de cinza
(2400 dpi / 150 lpi)² + 1 = 257 tons de cinza

NOTA:
A quantidade ideal de tons necessários num fotolito de 150 lpi para se obter boa qualidade gráfica é de 200 tons ou mais.
A quantidade ideal de tons necessários num fotolito de 110 lpi  para jornal é acima de 100 tons. 



Determinar a Resolução de uma imagem

Para determinar a resolução de uma imagem, a indústria gráfica adoptou a seguinte regra básica: 2 pixeis por ponto de trama no tamanho final fornecem o grau de detalhe necessário para reprodução.

A cada unidade de lpi deverão corresponder 2 pixeis de imagem:

- Se pretendermos utilizar uma lineatura de 150 lpi (impressão offset em papéis couché), a resolução ideal para as imagens digitais é de 300 ppi (150 lpi x 2 pixeis). 
- Se pretendermos utilizar uma lineatura de 133 lpi (impressão offset em papéis não revestidos), bastam 266 ppi de resolução (133 lpi x 2 pixeis). 


Textos e imagens a traço
A medida em PPI (pixeis por polegada) determina a resolução atingível e o detalhe de textos/traços. 
1200 ppi são suficientes para obter textos e traços perfeitos com  boa qualidade. Acima de 1200 ppi são pouco percetíveis os ganhos em definição. 



Alguns termos usados em Pré-Impressão:

 

Fidelidade de cores
Nenhum sistema de reprodução de cores alcança o espectro de cores da natureza:
- O olho humano vê biliões de cores;
- O écrã de um computador atinge os 16 milhões;
- O filme fotográfico atinge de 10 a 15 milhões;
- O impresso não ultrapassa 6 mil cores. Essa limitação do “range” de cores (chamada também de “color gamut”) do processo de impressão é o que impede a reprodução perfeita das imagens coloridas.

 

 

 

RGB e CMYK
RGB (R = Red; G = Green; e B = Blue): são as cores primárias da síntese aditiva da luz, usadas pelos monitores, scanners e máquinas fotográficas digitais.
Para a reprodução offset ou digital, as cores RGB devem ser convertidas em CMYK (C = Cyan; M = Magenta;Y = Yellow; e K = Black), que são as cores primárias da síntese subtrativa da luz, usadas nos processos de impressão. Quando misturadas, elas reproduzem limitadamente o espetro de cores da natureza. 

 
UCR e GCR 
UCR (Under Color Removal) e GCR (Gray Component Replacement) são técnicas usadas na separação de cores CMYK das imagens, que reduzem as quantidades de magenta, amarelo e cião, substituindo-as por uma apropriada quantidade de preto. 

​ 

OPI
O sistema OPI (Open Prepress Interface) era um processo que dava agilidade ao fluxo de trabalho. As imagens eram digitalizadas e os ficheiros guardados numa pasta criada para depósito das imagens em alta resolução, que ao serem aí colocadas geravam novos ficheiros em baixa resolução que iam para uma pasta de depósito das imagens em baixa resolução. Esta duplicação de imagens servia para que as imagens pudessem ser trabalhadas na fotocomposição e paginação de forma mais célere, sem ocuparem demasiado espaço no computador nem demasiado tempo de processamento. Depois da paginação concluída, as imagens em baixa resolução, posicionadas nas páginas, eram substituídas automaticamente pelas imagens em alta resolução na altura do processamento final do trabalho pela unidade de saída – filmadora ou CtP (Computer to Plate). 
Atualmente, com as capacidades dos novos equipamentos informáticos, já não existe tanta necessidade de recorrer a este sistema. 

Imposição 
Impôr significa montar as páginas em planos de impressão. Atualmente a imposição faz-se de forma eletrónica, a partir de um template de montagem para o trabalho em questão. A conferência é feita através de uma prova em plotter (ozalide digital), e após a aprovação é executada a saída do trabalho em fotolito (CtF) ou chapa (CtP).